Início » Novas pinturas de 2 milênios são encontradas em Pompeia

Novas pinturas de 2 milênios são encontradas em Pompeia

12 de abril de 2024 - Por Comunità Italiana
Novas pinturas de 2 milênios são encontradas em Pompeia

Obras de arte impressionantes foram descobertas em uma nova escavação em Pompeia, a antiga cidade romana soterrada pela erupção do Monte Vesúvio em 79 d.C. Arqueólogos dizem que os afrescos estão entre os melhores já encontrados nas ruínas do local.

Em um grande salão de banquetes, figuras gregas míticas como Helena de Troia estão retratadas nas paredes altas e pretas. O piso de mosaico, quase completo, contém mais de um milhão de ladrilhos brancos.

Sala preta
Legenda da foto,A sala preta apareceu nas últimas semanas. Seu piso de mosaico branco está quase completo

Um terço da cidade perdida ainda está sob detritos vulcânicos. E a escavação atual, a maior em uma geração, está marcando a posição de Pompeia como a principal janela do mundo para as pessoas e a cultura do Império Romano.

O diretor do parque de escavação, Gabriel Zuchtriegel, apresentou a “sala preta” à BBC com exclusividade esta quinta-feira.

É provável que a cor gritante das paredes tenha sido escolhida para esconder os depósitos de fumaça das lâmpadas usadas durante o horário de entretenimento, após o pôr do sol.

“Na luz brilhante, as pinturas quase ganhavam vida”, disse ele.

Mapa da Sala Preta

Dois afrescos dominam.

Em um, o deus Apolo é visto tentando seduzir a sacerdotisa Cassandra. A rejeição a ele, de acordo com o mito, resultou em suas profecias sendo ignoradas.

A trágica consequência é contada na segunda pintura, na qual o príncipe Paris encontra a bela Helena – uma união que Cassandra sabe que condenará a todos na Guerra de Troia que sucederá.

O deus Apolo é retratado em um dos afrescos tentando seduzir Cassandra
Legenda da foto,O deus Apolo é retratado em um dos afrescos tentando seduzir Cassandra

A sala negra é o mais recente tesouro a emergir da escavação, que teve início há 12 meses – uma investigação que será apresentada em uma série de documentários da BBC e da Lion TV no final de abril.

Uma ampla quadra residencial e comercial, conhecida como “Região 9”, está sendo limpa de vários metros de pedras e cinzas expelidas pelo Vesúvio há quase 2.000 anos.

A equipe está tendo que agir rapidamente para proteger os novos achados, removendo o que podem para um armazém.

Nos afrescos que devem permanecer no local, uma cola de gesso é injetada por trás para evitar que se afastem das paredes. A alvenaria está sendo reforçada com andaimes e protegida com uma cobertura temporária.

Um homem injeta uma cola de gesso por trás de um afresco
Legenda da foto,Uma cola de gesso é injetada atrás de um afresco para evitar que a pintura se solte da parede

A restauradora-chefe, Roberta Prisco, passou a última terça-feira tentando impedir o colapso de um arco.

“A responsabilidade é enorme; olhe para mim”, disse ela, sugerindo que o estresse esteja visível em seu rosto.

“Temos uma paixão e um profundo amor pelo que estamos fazendo, porque o que estamos descobrindo e protegendo é para a alegria também das gerações que vêm depois de nós.”

Mapa mostra loccal da escavação

A Região 9 colocou os arqueólogos numa posição de detetive para desvendarem sua história.

Escavações no final do século XIX descobriram, em um cano, uma lavanderia. O mais recente trabalho revelou, agora, uma grande padaria, logo ao lado, além da residência com a sala preta.

A equipe está confiante de que as três áreas podem ser conectadas. Fisicamente, através de um encanamento, e por passagens específicas, mas também em relação a sua propriedade.

Há pistas sobre a identidade do dono, com inúmeras inscrições com as iniciais “ARV”. As letras aparecem nas paredes e até mesmo nas pedras de moinho da padaria.

Recepção da residência com materiais de construção
Legenda da foto,Na recepção, os escombros no canto direito são materiais para reformas que estavam sendo feitas no momento da erupção

“Sabemos quem é a ARV: ele é Aulus Rustius Verus”, explicou a arqueóloga do parque, Sophie Hay. “Nós o conhecemos de outra propaganda política em Pompeia. Ele é um político. Ele é super-rico. Achamos que ele pode ser o dono da casa chique atrás da padaria e da lavanderia.”

O que está claro, no entanto, é se todas as propriedades estavam em reforma no momento da erupção.

Trabalhadores em fuga deixaram as telhas bem empilhadas; seus potes de argamassa de cal ainda estão cheios esperando para serem usados; suas espátulas e picaretas permanecem no mesmo lugar, embora as alças de madeira tenham apodrecido há muito tempo.

Lia Trapani cataloga tudo, desde a escavação. Ela alcança uma das mil ou mais caixas de artefatos em seu depósito e puxa um cone turquesa atarracado. “É o peso de chumbo de um alinhamento de cano.” Assim como os construtores de hoje, os trabalhadores romanos o teriam usado para alinhar superfícies verticais.

Ela segura o cone entre os dedos: “Se você olhar de perto, poderá ver que um pequeno pedaço de barbante romano ainda está preso”.

Arqueóloga mostra um dos itens encontrados
Legenda da foto,É possível ver um pedaço de barbante romano

Alessandro Russo é outro arqueólogo co-líder na escavação. Ele quer nos mostrar um afresco no teto recuperado de um quarto. Esmagadas durante a erupção, as peças ali recuperadas estão dispostas, no estilo quebra-cabeça, em uma mesa grande.

Ele pulverizou com uma névoa de água os pedaços de gesso, o que fez com que os detalhes e as cores vivas saltassem.

Você pode ver paisagens com personagens egípcios, alimentos e flores e algumas imponentes máscaras teatrais.

“Esta é a minha descoberta favorita nesta escavação, porque é complexa e rara. É de alta qualidade, para um indivíduo de alto status”, explicou ele.

Pedaços de um afresco de um teto que foi destruído na erupção vulcânica
Legenda da foto,Os arqueólogos tiveram que juntar as peças de um afresco do teto, destruído na erupção vulcânica

Mas se o afresco do teto da grande propriedade pode ser descrito como sofisticado, parte do que está sendo aprendido sobre a padaria dá informações sobre um aspecto mais duro da vida romana – a escravidão.

É evidente que as pessoas que trabalhavam ali eram mantidas trancadas em condições terríveis, vivendo lado a lado com os burros que puxavam as pedras do moinho. Parece que havia uma janela e barras de ferro para evitar a fuga.

É na padaria também que os únicos esqueletos da escavação foram encontrados. Dois adultos e uma criança foram esmagados por pedras caindo. Acredita-se que possam ter sido escravos que estavam presos e não conseguiram fugir quando houve a erupção. Mas é palpite.

“Quando escavamos, nos perguntamos para o que estamos olhando”, explica o arqueólogo co-líder, Gennaro Iovino.

“Muito parecido com um palco de teatro, você tem o cenário, o pano de fundo e o culpado, que é o Monte Vesúvio. O arqueólogo tem que ser bom em preencher as lacunas – contando a história do elenco desaparecido, das famílias e das crianças, das pessoas que não estão mais lá.” (com dados da BBC news)

Comunità Italiana

A revista ComunitàItaliana é a mídia nascida em março de 1994 como ligação entre Itália e Brasil.

Leia também outras matérias da nossa revista.



Comentários

ENQUETE

Loading poll ...

NOSSO E-BOOK GRÁTIS

SIGA NAS REDES

HORA E CLIMA EM ROMA

  • Sun Cloud
  • 22h07
fique por dentro

Não perca
nenhuma
notícia.

Cadastra-se na nossa ferramenta e receba diretamente no seu WhatsApp as últimas notícias da comunidade.