A filosofia de Umbelino Frisão

Marco

MarcoLucchesiAcima das letras e mestre das nações

Não me aventuro a estudar o pensamento do marquês Umbelino Frisão (1931-2015), cuja bibliografia ultrapassa a casa do milhar, entre livros, ensaios e artigos que lhe foram dedicados. Impressiona como as novas gerações encontram em Umbelino não apenas uma bandeira, mas uma fonte de inspiração, um incessante repertório para responder aos desafios da crise de paradigmas, que nos circunscreve.
Também me incluo, modestamente, na legião de seus discípulos. Decidi levar a termo a compilação dos volumes que formam a biblioteca do velho solar de Cruz de Celas. A faixa temporal dos volumes salta aos olhos. Sobretudo aqueles mais recentes, sublinhados e anotados, como de costume, embora trêmula e incerta a caligrafia do provecto leitor. Prova que Umbelino permaneceu lúcido até o fim.
Subsistem questões insolúveis no seu índice livresco, tamanha a diversidade crítica do conjunto, a beleza e a raridade das peças, bem como os volumes ausentes, aqueles que se tresmalharam nas múltiplas mudanças que realizou.
Faço uma pequena cronologia de seus últimos anos de vida. Em 2008, figura nas listas do Nobel e transforma o palácio em centro cultural. Dois anos depois, Umberto Eco declara em sua Bustina di Minerva: “só escrevi O nome da rosa após a leitura do Diadema da idade média de Umbelino Frisão”. Em 2013, Thaïs Massenet edita Analecta umbeliniana: seleção de pensamentos urânios. Já a prestigiosa editora Jacques Vrin imprime, em 2014, a obra completa prefaciada por Michel Verdurier, Filosofia oblíqua: princípios de naufrágio transcendental.
Umbelino Frisão morreu no dia 27 de novembro de 2014, às cinco e trinta e sete da manhã, de causas naturais, assistido por Ulrika Werner e Cláudio Sevandijas. Suas últimas palavras foram: Urânia, mehr Wasser!, ou em bom português “Urânia, mais água!”
Sepultado com honras oficiais no Mosteiro dos Jerônimos, Mario Soares discursa, emocionado, e assim conclui: “Umbelino, Camões e Fernando Pessoa formam a sublime trindade portuguesa. Descanse em paz, mestre das nações”.
Uma pena constatar, afinal, que o marquês Umbelino Frisão jamais existiu!

(trecho de livro inédito assinado por Lúcio Marchesi)

qUEM SOMOS

A comunidade ítalo-brasileira é notória pela atuação diferenciada nos mais diversos setores. Italianos e seus descendentes fazem opinião e têm importante poder de decisão por aqui. A revista ComunitàItaliana é a mídia nascida em março de 1994 como ligação entre Itália e Brasil. Traz os assuntos mais relevantes para os dois países, une modernidade e bom gosto para atender a um público que faz a diferença na sociedade. Mensal, com projeto gráfico e editorial modernos, conteúdo diversificado e entrevistas exclusivas com personalidades, esta revista fundada pelo jornalista e executivo Pietro Petraglia junto a intelectuais e personalidades de diversos segmentos é única no mercado editorial.

Últimos Twittes

comunitaitalia O belíssimo Duomo di Firenze para encantar sua noite! Buona serata! Conheça a maior mídia ítalo-brasileira,... https://t.co/KbvGroAsgk
6hreplyretweet
comunitaitalia Em Roma, os editores Andrea Santurbano, Fábio Pierangeli, Patricia Peterle, responsáveis pelo Mosaico Italiano,... https://t.co/UoFvgMV4J2
12hreplyretweet
comunitaitalia Um almoço em Castel Gandolfo, que fica na região metropolitana de Roma! A comuna é conhecida por abrigar o... https://t.co/q1iLou5QHY
12hreplyretweet

Facebook